Sal

Sal, um recurso precioso

Coloque sal a gosto e sirva. Quantas vezes econtramos esta expressão em receitas? Mas o que sabemos sobre sal marinho e principalmente sal italiano (como o sal de Trapani)?

O mundo considera o sal um ingrediente essencial da cozinha, mas nem sempre foi assim. No passado, devido a sua preciosidade, foi usado como moeda corrente (dai o surgimento do termo salário) e foi contrabandeado com preços altíssimos até o século XIX.

Nos últimos anos seu comércio sofreu um forte aumento de oferta, encontramos além do sal marinho, o rosa do Himalaia, o defumado e outros. É preciso esclarecer que o sal que evapora da água do mar é o chamado de sal marinho e os extraídos de rochas de sal-gema. Na Itália ocorre a extração dos dois, mas só recebe a certificação de Produtos Agroalimentares Tradicionais Italianos o sal de Trapani, Cervia, Cagliari e o Margherita di Savoia da Puglia, a maior salina da Europa.

Para bons hábitos alimentares prefira o sal italiano, pois é naturalmente rico de iodo, mineral insidpensável e não use em excesso, o consumo diário máximo é de 4,5g.