IníciosegurançaGlifosato e neurotoxicidade, dúvidas e perguntas de um toxicologista

Glifosato e neurotoxicidade, dúvidas e perguntas de um toxicologista

Enquanto se aguarda a decisão dos Estados-Membros sobre a renovação da autorização de utilização do glifosato na União Europeia, o Professor Alberto Mantovani – toxicologista de renome internacional, antigo presidente da Sociedade Europeia de Teratologia e membro durante muitos anos dos painéis da EFSA sobre rações e agrotóxicos – expressa dúvidas e questionamentos quanto à possível neurotoxicidade da substância.

1) Riscos de pesticidas e neurotoxicidade, introdução

'Os aspectos emergentes neurotoxicidade associada à exposição a pesticidas pode ser considerada sob duas perspectivas diferentes', explica o professor Alberto Mantovani:

– correlações com a patogénese e/ou risco aumentado de aparecimento de doenças neurodegenerativas crónicas, como a doença de Parkinson,

– neurotoxicidade do desenvolvimento. Refere-se a uma ampla gama de distúrbios cognitivos e comportamentais, desde distúrbios de aprendizagem até doenças do espectro do autismo. Em
neste caso a exposição durante a maturação do sistema nervoso é decisiva,
desde a vida intrauterina até a primeira infância.

2) Exposição a pesticidas e doença de Parkinson. Estudos epidemiológicos e AOP (Adverse Outcome Pathway)

AESA (Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos), em 2013 e 2016, publicou dois importantes documentos científicos sobre estudos epidemiológicos correlacionando a exposição a pesticidas e doenças graves como a doença de Parkinson (DP) e a leucemia infantil (LH).

A fraqueza intrínseca dos estudos epidemiológicos - que raramente nos permitem tirar conclusões firmes sobre relações causais - levou os investigadores a integrar a análise epidemiológica com o conhecimento da patogénese das doenças e o exame de dados experimentais sobre os mecanismos dos pesticidas. alcançar 'evidências de efeitos neurotóxicos e mecanismos biologicamente plausíveis que ligam pesticidas à doença de Parkinson'.

A opinião O relatório científico da EFSA (2017) sobre a potencial ligação entre os mecanismos induzidos por pesticidas e a doença de Parkinson e a leucemia infantil adotou uma nova abordagem na análise de risco ('Abordagem Integrada para Testes e Avaliação', IATA). Usando a estrutura conceitual de 'Caminho do resultado adverso' (AOP), de acordo com critérios da OCDE (2013, 2014), para definir a plausibilidade biológica das correlações através da identificação de:

– sintomas específicos de doenças ('Resultado Adverso', AO),

– ligação entre um evento de iniciação molecular (MIE) e o AO através de uma série de eventos-chave (KEs). (1)

– finalmente a análise dos mecanismos das substâncias químicas que podem coincidir com a MIE e a KE, ligando-se assim à patogénese da OA.

Na prática, o POA pode vincular solidamente os mecanismos de toxicidade induzidos por uma substância ao nível da fisiologia celular (interações com receptores, enzimas, etc.) e o risco de patologias específicas.

Figura 1: Nova ciência. Caminho do resultado adverso. (2)

2.1) Glifosato, estudos epidemiológicos e POA

'AOP combina múltiplas informações e fornece conhecimento sobre caminhos biológicos, destaca diferenças e semelhanças entre espécies, identifica necessidades de pesquisa e deve apoiar decisões regulatórias. Neste contexto, a abordagem AOP poderia ajudar a organizar o conhecimento experimental disponível para avaliar a plausibilidade biológica, biologicamente plausível e essencial.' (EFSA, 2017). (1)

A avaliação da AESA relativo ao glifosato (2023), seis anos após o relativo aos POA desenvolvido pela mesma Autoridade, não utiliza os mesmos POA para verificar se as controversas associações epidemiológicas entre o glifosato e a doença de Parkinson podem ter plausibilidade biológica.

A utilização de POA nesta área é particularmente importante. Na verdade, embora a doença de Parkinson seja uma doença neurológica crónica grave e importante que apresenta associações epidemiológicas com a exposição a pesticidas, não existem testes toxicológicos,
entre aqueles necessários para a avaliação de agrotóxicos, que sejam capazes de identificar este
efeito. A identificação de pesticidas (ou outras substâncias) que induzem a doença de Parkinson
portanto, permanece uma séria “lacuna” científica que o uso de AOP poderia reduzir.
No caso do glifosato, explica o professor Alberto Mantovani, os dois elementos a considerar são, por um lado, a existência de correlações epidemiológicas entre o glifosato e a DP que, embora insuficientes e controversas, não devem ser ignoradas. O outro elemento é a possível exposição humana significativa, visto que é o herbicida mais utilizado na Europa e no mundo. (4)

3) Pesticidas e neurotoxicidade do desenvolvimento

Os riscos da neurotoxicidade sobre o desenvolvimento das estruturas e funções do sistema nervoso (neurotoxicidade do desenvolvimento) associada à exposição a pesticidas pode ser verificada através de testes consolidados, in vitro e in vivo (em ratos). As indústrias que solicitam autorização para introdução de princípios ativos de uso fitossanitário nos EUA são sempre obrigadas a realizar essas análises. O mesmo não acontece na União Europeia, devido a uma lacuna regulamentar grotesca no Regulamento (CE) n.º 1107/2009 sobre Pesticidas.

A indústria agroquímica está sob acusação de associações ambientalistas por ter ocultado estudos sobre a neurotoxicidade do glifosato para o desenvolvimento, como vimos. (6) Um recente estudo científico sueco (Mie et al., 2023) demonstrou de facto como os Big 4 - os monopolistas globais de pesticidas e sementes (7) - não conseguiram submeter à EFSA um terço dos estudos sobre neurotoxicidade para o desenvolvimento. em vez disso, foram fornecidos à EPA (Agência de Proteção Ambiental, EUA), também em relação ao glifosato. (8)

3.1) Glifosato e ‘neurotoxicidade do desenvolvimento’

Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos, em seu parecer sobre o glifosato (2023):

– reconhece que existem provas de neurotoxicidade para o desenvolvimento em formulações com glifosato e uma substância semelhante (sal de glifosato, não autorizado na UE), e ainda assim

– detectar 'lacunas de dados que não podem ser resolvidas definitivamente', entre outras coisas, os efeitos negativos no desenvolvimento do sistema nervoso (bem como algumas lacunas científicas a nível geral, como os efeitos no microbioma).

'Esta falta de estudos sobre uma molécula patenteada há 50 anos, que está na base dos «produtos fitofarmacêuticos» mais utilizados na Europa e a nível mundial, é no mínimo surpreendente.', explica o professor Alberto Mantovani. 'A neurotoxicidade do desenvolvimento é um risco muito sério para a saúde. A presença de suspeitas fundadas justifica decisões baseadas no princípio da precaução por parte do legislador europeu'. Ainda mais porque os estudos in vivo em ratos ainda são insuficientes para avaliar a patogênese de doenças neurológicas exclusivamente humanas (Mie et al., 2023).

4) Glifosato, riscos de neurotoxicidade e princípio da precaução

Glifosato e o seu metabolito AMPA (ácido aminometilfosfónico) foram detetados em 42% e 68% das águas superficiais e subterrâneas analisadas pelo ISPRA, no período de dois anos 2019-2020, em 14 regiões italianas. (9) O Professor Alberto Mantovani sublinha como os dois aspectos graves da neurotoxicidade mencionados na antevisão – a patogénese e/ou o aumento do risco de doenças crónicas (ou seja, a doença de Parkinson) e a «toxicidade do neurodesenvolvimento» – continuam a ser preocupações não resolvidas, pelas razões mencionadas no anterior parágrafos.

A estes devem ser adicionados informações sobre o impacto direto do glifosato na microbiota que interage constantemente com o sistema nervoso central. (10) A avaliação da EFSA identificou certamente estas e outras deficiências, tais como os efeitos da exposição alimentar a resíduos de glifosato e aspectos de impacto ambiental. No entanto, o grave impacto das lacunas na avaliação da segurança não foi claramente salientado.

Dário Dongo

Imagem da capa por: Lyydia Leino, Tuomas Tall, Marjo Helander, Irma Saloniemi, Kari Saikkonen, Suvi Ruuskanen, Pere Puigbò. Classificação da enzima alvo do glifosato (5-enolpiruvilshikimato-3-fosfato sintase) para avaliação da sensibilidade dos organismos ao herbicida. Jornal de Materiais Perigosos, Volume 408, 2021, 124556.
https://doi.org/10.1016/j.jhazmat.2020.124556

Note

(1) Painel PPR da EFSA (Painel da EFSA sobre Produtos Fitofarmacêuticos e seus Resíduos),
2017. Parecer científico sobre a investigação das propriedades toxicológicas experimentais de produtos fitofarmacêuticos com potencial ligação à doença de Parkinson e à leucemia infantil. Jornal da EFSA 2017; 15(3):4691, 325 pp. doi:10.2903/j.efsa.2017.4691

(2) Dr. Jose V. Tarazona, Chefe da Unidade de Pesticidas. EFSA (2018) Estabelecendo a base para futuras avaliações de riscos para a saúde: Um estudo de caso sobre a doença de Parkinson e paraquat. Apresentação no Parlamento Europeu https://tinyurl.com/nw6vjrzy

(3) Dario Dongo, Alessandra Mei. A EFSA ignora os riscos de segurança do glifosato. 'Pare com o glifosato'! GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 22.7.23

(4) Marta Cantado. Glifosato na urina de 99,8% dos franceses. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 30.1.22

(5) Marta Cantado. Glifosato causa leucemia em ratos jovens, mesmo em doses baixas. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 26.10.23

(6) Dário Dongo. Glifosato, sociedade civil denuncia fraude face à renovação de dez anos na UE. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 3.10.23

(7) Marta Strinati, Dario Dongo. Pesticidas, somos todos Big 4 cobaias. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 23.8.19

(8) Dário Dongo. Como a indústria agroquímica esconde a toxicidade dos agrotóxicos. novos estudos. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 13.6.23

(9) Gabriele Sapienza. ISPRA, relatório de 2022 sobre pesticidas em águas italianas. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 19.10.23

(10) Dario Dongo. Pesticidas e microbioma, entrevista com o Prof. Alberto Mantovani. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 22.5.19

+ postagens

Dario Dongo, advogado e jornalista, doutor em direito alimentar internacional, fundador da WIISE (FARE - GIFT - Food Times) e da Égalité.

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »