InícioSaúdeO papel nocivo dos açúcares na dieta, parecer da EFSA

O papel nocivo dos açúcares na dieta, parecer da EFSA

O consumo de açúcares afeta negativamente a saúde e deve ser minimizado. Isto foi afirmado pelo Painel da EFSA sobre Nutrição, Novos Alimentos e Alergênicos Alimentares (NDA) da EFSA no parecer científico publicado em 28.2.22. (1)

O parecer da AESA sobre os açúcares

A avaliação A EFSA nasceu de solicitar avançado em 2016 por 5 países da UE no norte da Europa: Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia. De fato, as autoridades sanitárias dos 5 países pediram aoAutoridade Segurança Alimentar Europeia para definir um nível tolerável de ingestão de açúcar com base em dar existentes na literatura científica sobre a correlação entre consumo de açúcar e doenças metabólicas crônicas, patologias na gravidez e cárie dentária.

A análise de centenas de estudos científicos levaram o comitê da NDA à conclusão de que 'em uma alimentação nutricionalmente correta, a ingestão de açúcares adicionados e livres deve ser a mais baixa possível, o que já está de acordo com as recomendações atuais', como afirmou o professor Dominique Turck, presidente do Grupo de Especialistas em Nutrição Humana da EFSA, que realizou a avaliação. Apesar disso, 'a evidência científica não nos permitiu estabelecer o nível máximo de ingestão tolerável de açúcares na nutrição humana'.

De bebidas açucaradas a sucos de frutas

Açúcares a que a AESA se refere são todos os géneros alimentícios, tanto naturais como adicionados, presentes na dieta (açúcares totais). Esses são os principais tipos de açúcares (mono e dissacarídeos) presentes nas dietas (como glicose, frutose, galactose, sacarose, lactose, maltose e trealose).

O Autoridade recorda a classificação em três vertentes.

1) Açúcares adicionados, nomeadamente os refinados utilizados na preparação de alimentos e como açúcar de mesa.

2) Açúcares livres, que incluem tanto os presentes naturalmente no mel, xaropes, sucos de frutas e vegetais e sucos concentrados quanto os "açúcares de adição".

Alimentos os que mais contribuem para a ingestão de açúcares adicionados e livres são o açúcar de mesa, mel, xaropes, confeitaria e sobremesas doces, bebidas e produtos de panificação (com grande variabilidade entre os vários países da UE).

3) Açúcares naturalmente presentes nos alimentos, como leite, frutas e legumes.

Consumo para adultos e crianças

A fonte principal de açúcares na dieta dos europeus são os bebidas açucaradas. Sucos de frutas, assados ​​e doces também contribuem para os excessos. Entre crianças e jovens até 18 anos, são adicionados leite adoçado e produtos lácteos.

Sem dúvida, os açúcares são uma fonte útil de energia. E alguns tipos, como a glicose, são indispensáveis ​​para o bom funcionamento do coração e do cérebro. Carboidratos contidos em alimentos ricos em amido também podem ser usados ​​pelo corpo como fonte de glicose. Mas a dose deve ser bem calibrada, caso contrário distúrbios e doenças graves.

O papel nocivo dos açúcares

Seguindo os pedidos dos 5 países Nordic, a EFSA verificou as evidências científicas (pós 2010) sobre a correlação entre o consumo de açúcar e os danos à saúde. As conclusões são incertas, exceto para a cárie dentária e a premissa de que o consumo excessivo de açúcar gera um acúmulo no organismo, por exemplo, na forma de gordura a ser utilizada como reserva. Se essa reserva não for utilizada pelo organismo, ela pode se acumular com o tempo e causar problemas de saúde.

Em detalhe, recorda a EFSA, o consumo de açúcar está relacionado com

cárie. Os açúcares dos alimentos são metabolizados pelos microrganismos da placa em ácidos orgânicos que desmineralizam o esmalte e a dentina, causando a cárie dentária. A sacarose também é conhecida por contribuir para a formação de placa dentária,

doenças metabólicas crônicas. A ingestão excessiva (não consumida) de energia e consequente ganho de peso parece ser o principal mecanismo pelo qual a ingestão de açúcar na dieta pode contribuir para o desenvolvimento de doenças metabólicas crônicas.

Doenças por tipo de açúcar

Em um infográfico, a EFSA indica a correlação entre o consumo de açúcar e o aparecimento de doenças (além da cárie, que está sempre presente):

- açúcares adicionados e livres (desde açúcar adicionado no café, bebidas e preparações caseiras até produtos industriais): obesidade, fígado gorduroso, diabetes tipo 2, excesso de colesterol 'ruim' (LDL), hipertensão,

- frutose: doenças cardiovasculares, gota,

- bebidas açucaradas: obesidade, fígado gorduroso, diabetes tipo 2, excesso de colesterol 'ruim' (LDL), doenças cardiovasculares, gota, hipertensão. O consumo de bebidas açucaradas também está relacionado ao diabetes gestacional e à síndrome do recém-nascido com baixo peso,

- sumos de fruta e néctares: obesidade, diabetes tipo 2, gota,

- doces, bolos e sobremesasoutros bebidas açucaradas, incluindo leite adoçado e batidos, iogurte. Todas as fontes de açúcares adicionados e livres, já mencionadas.

O Parecer da EFSA pode ajudar os Estados-Membros da UE a definir metas/recomendações nacionais eficazes, como medidas adotado na Grã-Bretanha, escolhido pela OMS como modelo para neutralizar o excesso de açúcar e calorias.

Martha Strinati

Nota

(1) Painel da EFSA sobre nutrição, novos alimentos e alérgenos alimentares (NDA), Dominique Turck, Torsten Bohn et al. Nível de ingestão superior tolerável para açúcares dietéticos. 28.2.22. Jornal da EFSA  https://doi.org/10.2903/j.efsa.2022.7074

+ postagens

Jornalista profissional desde janeiro de 1995, trabalhou em jornais (Il Messaggero, Paese Sera, La Stampa) e periódicos (NumeroUno, Il Salvagente). Autora de pesquisas jornalísticas sobre alimentação, publicou o livro "Ler rótulos para saber o que comemos".

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »