InícioSaúdeMEDIET4ALL, promovendo a dieta mediterrânica para um estilo de vida saudável e...

MEDIET4ALL, promovendo a dieta mediterrânica para um estilo de vida saudável e ativo

O projeto de pesquisa MEDIET4ALL – dentro do programa PRIMA (Parceria para a Investigação e Inovação na Área Mediterrânica), no Horizonte 2020 – pretende promover a dieta mediterrânica em oito países, para um estilo de vida saudável e ativo (1,2). Na tentativa de combater a disseminação de alimentos ultraprocessados ​​com perfis nutricionais desequilibrados, cujo consumo está associado a doenças graves não transmissíveis e à mortalidade prematura. (3)

1) Dieta mediterrânea e saúde

A dieta mediterrânea – historicamente enraizado em modelos dietéticos dos países mediterrâneos caracteriza-se pelo consumo regular de vegetais, frutas, cereais e leguminosas, frutos secos, azeite virgem extra, peixe, ovos, com ingestão moderada de lacticínios e carnes.

Literatura científica converge na atribuição de um vasto conjunto de benefícios para a saúde à dieta mediterrânica - desde a fase pré-natal à velhice, gravidez e menopausa - com efeitos favoráveis ​​também nos sistemas imunitário, nervoso e ósseo (4,5,6,7, 8). Além de atenuar o envelhecimento celular. (XNUMX)

2) Involução dos padrões alimentares

As populações dos mesmos países ribeirinhos do Mar Mediterrâneo, nas últimas décadas, afastaram-se progressivamente da dieta mediterrânica, introduzindo alimentos ultraprocessados ​​nas suas dietas. Esta involução dos padrões alimentares levou a um aumento significativo da obesidade, do excesso de peso infantil e das DCNT (Doenças Não Transmissíveis). (9)

MEDIET4ALL visa contrariar esta tendência e promover o «regresso às origens» da dieta mediterrânica em Espanha, França, Itália, Marrocos, Argélia, Tunísia. Com contribuições científicas e extensão de atividades também na Alemanha e Luxemburgo. Focar a atenção nos princípios-chave deste modelo alimentar e no privilégio dos alimentos in natura ou minimamente processados. (10)

2.1) Causas

A involução dos hábitos alimentares, teve uma influência negativa de impacto significativo na saúde e no ecossistema sociocultural. (11) Vários fatores contribuíram para esta mudança de paradigma:

– tendências sociais modernas. O progresso tecnológico e as mudanças nos modelos sociais, o estilo de vida agitado e a busca pela “conveniência”, ou seja, a praticidade dos alimentos “prontos para consumir”,

– globalização alimentar. 'Corporações', cadeias de abastecimento intercontinentais, sabores artificiais e padronizados, longa vida útil, 'alimentos ultraprocessados' em todos os cantos do planeta,

– marketing agressivo. Serviços de comunicação social audiovisual, redes sociais, influenciadores para remodelar o consumo de produtos “atractivos” em vez de nutritivos,

– Fast food, take-away. Soluções alimentares rápidas e de fácil acesso, também do ponto de vista económico. Pelo “único” preço da saúde.

2.2) Consequências

Poluição da dieta mediterrânica com “alimentos ultraprocessados” (AUP) tem como primeira consequência o desequilíbrio entre a energia consumida através dos alimentos e a consumida na vida quotidiana, muitas vezes sedentária, como refere o relatório da ONUStatus global da atividade física 2022'. (12)

Um objetivo fundamental do projeto #MEDIET4ALL é, portanto, abordar a crescente prevalência da obesidade, desde a infância, detectada pela OMS Europa (2022) e pela ISS (2022) em Itália (13,14). Os pesquisadores pretendem ajudar a população a compreender o papel dos alimentos ultraprocessados ​​no balanço energético diário.

3) MEDIET4ALL, elementos de inovação

A abordagem multidisciplinar do MEDIET4ALL envolve especialistas de diferentes países da Europa e do Norte de África nos diferentes sectores da nutrição e tecnologia alimentar, ciências do desporto, tecnologia da informação e educação. Os investigadores realizarão inquéritos online para compreender os hábitos dos consumidores euro-mediterrânicos e desenvolverão nesta base uma série de atividades que incluem campanhas de sensibilização pública e uma aplicação interativa - com elementos educativos e lúdicos (ou seja, cursos de nutrição, culinária) - para melhor incentivar a adopção da dieta mediterrânica.

4) Sustentabilidade do consumo e produção alimentar

O app MEDIET4ALL é apresentado como um 'agente de estilo de vida inteligente'. Aulas de culinária e recursos digitais podem facilitar a adesão à dieta mediterrânica na vida quotidiana. Mesmo utilizando matérias-primas locais de diferentes áreas geográficas, como foi demonstrado num estudo recente realizado no Reino Unido com 110.000 adultos acompanhados durante nove anos (Maroto-Rodriguez et al., 2023). (2)

A transição A aposta nos alimentos minimamente processados ​​também assume importância ao nível da sustentabilidade do consumo e da produção agroalimentar (#ODS12), ao nível da poupança de energia e água, da redução das emissões de gases com efeito de estufa, da conservação do solo. E nesta visão mais ampla - bem ilustrada pelo coordenador do projeto, Dr. Achraf Ammar (Universidade Johannes Gutenberg, Mainz, D) - há também uma atividade de pesquisa e desenvolvimento em embalagens biodegradáveis.

5) 'Farm to Fork', o papel da investigação e inovação

A estratégia da UE «do prado ao prato», como vimos, estagnou em grande parte na frente política devido à oposição enérgica e imprevisível do Parlamento Europeu a alguns dos seus principais projetos, desde o BECA (Plano de Luta contra o Cancro) até à proposta de regulamento SUR (Uso Sustentável e Redução de Pesticidas). Ver notas 15,16).

Pesquisa e inovação assumir ainda mais um papel fundamental no desenvolvimento de boas práticas e soluções 'de base científica', na verificação da sua eficácia junto de vários segmentos da população em diferentes contextos sociais e culturais, na proposição de 'policy briefs' para coordenação e administração de políticas a vários níveis da UE, nacional e local.

Dario Dongo e Gabriele Sapienza

Note

(1) MEDIET4ALL https://mel.cgiar.org/projects/1843#work

(2) Dário Dongo. Exercício físico, descanso e convívio, os benefícios do estilo de vida da dieta mediterrânica. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 17.9.23

(3) Dario Dongo, Andrea Adelmo Della Penna. Alimentos ultraprocessados, doenças e mortalidade prematura. eu estudo na italia. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 11.12.21

(4) Giulia Pietrollini. Dieta mediterrânica e redução de patologias adversas à gravidez. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 24.1.23

(5) Marta Cantado. Perder peso na menopausa com a dieta mediterrânea. Estudo científico. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 22.8.20

(6) Marta Cantado. Dieta mediterrânea e sistema imunológico, novas evidências científicas. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 1.6.23

(7) Andreo-López, MC; Contreras-Bolívar, V.; García-Fontana, B.; García-Fontana, C.; Muñoz-Torres, M. A influência do padrão alimentar mediterrâneo na osteoporose e na sarcopenia. Nutrientes 2023, 15, 3224. https://doi.org/10.3390/nu15143224

(8) Dario Dongo, Andrea Adelmo Della Penna. Modificações genéticas e envelhecimento, alimentos ultraprocessados ​​vs dieta mediterrânea. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 12.9.20

(9) Dario Dongo, Giulia Baldelli. Dieta mediterrânea e obesidade infantil, Europa de cabeça para baixo. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 15.12.18

(10) Dernini S, Berry EM, Serra-Majem L, La Vecchia C, Capone R, Medina FX, Aranceta-Barterin J, Belahsen R, Burlingame B, Calabrese G, Corella D, Donini LM, Lairon D, Meybeck A, Pekcan AG, Piscopo S, Yngve A, Trichopoulou A. Med Diet 4.0: a dieta mediterrânea com quatro benefícios sustentáveis. Saúde Pública Nutr. Maio de 2017;20(7):1322-1330. doi: 10.1017/S1368980016003177. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC10261651/

(11) Mertens E, Colizzi C, Peñalvo JL. Consumo de alimentos ultraprocessados ​​em adultos em toda a Europa. Eur J Nutr. 2022 abril;61(3):1521-1539. doi: 10.1007/s00394-021-02733-7 https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC8921104/

(11) JGU, Universidade Johannes Gutenberg Mainz (D). Novo projeto da UE explora a dieta mediterrânica como base de um estilo de vida ativo e saudável. Comunicado de imprensa, 14.11.23 https://press.uni-mainz.de/new-eu-project-explores-the-mediterranean-diet-as-basis-of-a-healthy-active-lifestyle/

(12) Marta Cantado. A atividade física prolonga a vida, mas os governos ainda estão parados. relatório da ONU. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 2.1.22

(13) Dario Dongo, Sabrina Bergamini. Obesidade, obesidade infantil e marketing. Relatório da OMS Europa 2022. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 16.6.22

(14) Dario Dongo, Andrea Adelmo Della Penna. Itália, sobrepeso e obesidade em adultos e idosos. estudos do ISS. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 8.1.22

(15) Ísis Consuelo Sanlúcar Chirinos. Bebidas alcoólicas, o Parlamento da UE cancela o rótulo proposto alertando sobre os riscos do álcool e do câncer. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 18.2.22

(16) Dário Dongo. Não à redução de pesticidas, sim ao glifosato. Europa tóxica. GIFT (Grande Comércio de Alimentos Italianos). 23.11.23

+ postagens

Dario Dongo, advogado e jornalista, doutor em direito alimentar internacional, fundador da WIISE (FARE - GIFT - Food Times) e da Égalité.

Site | + postagens

Graduado em Agronomia, com experiência em agricultura sustentável e permacultura, monitoramento laboratorial e ecológico.

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »