IníciomercadosO consumo alimentar dos italianos no Observatório Immagino

O consumo alimentar dos italianos no Observatório Immagino

As tendências do consumo alimentar dos italianos são relatadas pelo XI edição do Observatório, eu acho. O relatório da GS1 Itália e NielsenIQ é baseado na análise de rótulos (ingredientes e tabela nutricional) e reivindicar de mais de 128 mil produtos disponíveis nos hipermercados e supermercados italianos, fonte de mais de 30 bilhões de euros em faturamento em 2021.

O retorno das fibras no Metaproduto do Observatório Imagino

Preferências dos italianos em termos de nutrientes estão resumidos no metaproduto, a ferramenta estatística do Osservatorio Immagino que indica o valor nutricional médio dos alimentos adquiridos em supermercados e hipermercados, com base na análise das tabelas nutricionais de 75.982 produtos.

em 2021, as fibras voltaram a crescer (como era até 2019) e houve uma contração de calorias, gorduras, proteínas e açúcares, após os aumentos significativos de 2020, ano I da era Covid-19.

Made in Italy em resfriamento

O espírito italiano dos alimentos está associado a uma estabilidade substancial nas vendas (-0,1%), mantendo-se como o fenômeno mais difundido, presente em 26,8% das referências pesquisadas. Os sinais distintivos são sempre, em ordem,

- bandeira tricolor, com aumento nas vendas de frios, bebidas à base de chá, pizzas congeladas e aves de quarto processamento, em todos os casos devido à maior utilização do símbolo nas embalagens.

- 100% italiano, com efeito positivo nas vendas de salgadinhos, frios, aves de quarto processamento e leite UHT acompanhado reivindicar,

- produzido na Itália, com crescimento das vendas de pratos prontos congelados, empanados de peixe congelado, ovos de Páscoa, uvas e hortaliças de quarta linha. este reivindicar, lembramos, apenas certifica que a última transformação dos alimentos ocorreu na Itália, como vimos recentemente na comparação de suco de laranja de concentrado de origem desconhecida.

DOP, DOC, DOCG

As diferentes articulações em vez da marca de denominação de origem protegida, apresentam + 4%, graças aos espumantes secos charmat, espumantes clássicos e vinhos. Esses sinais de reconhecimento do caráter italiano aparecem em mais de 4 mil produtos, para um faturamento de 1,3 bilhão de euros em 2021.

Trollar o DOCG (+ 13,2% das vendas), seguido por DOC (6,4) e DOP decrescente (-2,1), devido à contração nas vendas de queijos parmesão e similares.

Basicamente estávelpor outro lado, foram comercializados 1.946 produtos marcados com IGP (Indicação Geográfica Típica) ou IGT (Indicação Geográfica Típica).

A origem regional

a oferta de indicações de procedência de uma região italiana cresce. Globalmente, assinala um aumento do volume de negócios de + 3,2%.

O ranking ainda é dominado pelo Trentino-Alto Adige com 968 produtos e crescimento de vendas de 2,1%.

As indicações as regionais mais dinâmicas, por outro lado, preocupam-se

- Veneto. O melhor atuação 2021 com um excelente + 9,1% do volume de negócios, graças sobretudo aos vinhos Prosecco e Doc e Docg,

- Calábria. Bitters, cebolas roxas e clementinas impulsionam a brilhante safra dos 247 produtos da Calábria: + 8,7% do faturamento, para 102 milhões de euros,

- Puglia. Burrata, taralli, mussarela e vinhos tintos contribuem fortemente para o aumento de + 8,3%.

Bem também Liguria (7,7%), Basilicata e Marche (respectivamente 6,8 e 6,7%).

Livre de

Os rótulos livre de, que destacam a ausência de um ingrediente, passam por uma parada em 2021. Os mais dinâmicos são 'poucas calorias'(10,9),'sem adição de açúcar'(10,6) e'poucos açúcares'(10,4).

Il reivindicar 'sem antibióticos', da qual a Coop Itália foi um pioneiro, em 2021 teve um volume de negócios aumentado 5,6%, para 109 milhões de euros.

Primeiro para atuação no entanto é'não frito'. Usado para lanches e extrusões salgadas, registrou + 17%.

EU 'sem'para pessoas intolerantes e alérgicas

Entre os reivindicar de livre de dedicado aos consumidores intolerantes ou alérgicos o 'livre de glúten'está estável com + 0,7%, em relação a 2020. Dos 8.400 produtos, ovos de páscoa e bebidas à base de chá crescem muito, mas perdem terreno salsicha e salame em cubos.

Mais animado (+1,1) é a tendência de 1.965 produtos sem glúten certificado pela orelha cruzada da AIC, Associação Italiana de Celíacos. Pães macios e cereais cresceram mais lanche.

Eusem lactose' as vendas cresceram 4,3%, principalmente graças à expansão da oferta, com produtos como kefir, suplementos vitamínicos, sucedâneos do leite UHT, leites infantis, sobremesas frescas e iogurtes funcionais. o reivindicar afim 'sem leite', presente no rótulo de 481 produtos (como frios e terceiro processamento de carne suína), registra + 1,8%.

Tendência dinâmicafinalmente, para os dois recentes reivindicar 'sem fermento'(+3,9) e'sem ovos«(7,3), presente em 172 produtos, entre os quais se destacam as massas frescas sem recheio e as massas frescas sem glúten.

A acusação de 'rico em'

Continua positivo (+ 2%) a tendência de 9.642 produtos'rico em', ou seja, acompanhado de um reivindicar na alta ingestão de um nutriente.

Dos 12 reivindicar monitorado pelo Observatório, eu acho, 'fibra'é o mais difundido (3.777 produtos) e está associado a um aumento de vendas de 3,7%. Substituiproteína', o fenômeno de 2021, com + 6,4% das vendas dos 2.589 produtos que o possuem.

Para o resto, 'vitamine' é 'integral'marca +1,2 e + 1,4%. Entre reivindicar menos difundido, finalmente, 'Magnésio' é 'zinco'' as vendas aumentaram 5,6 e 5,7%, respectivamente

Estilo de vida à mesa

A ausência de ingredientes de origem animal é o elemento mais dinâmico entre os alimentos rotulados com reivindicar ou uma certificação relativa a determinados estilos de vida ou consumo.

Vendas crescer tanto em nível macro 'veg'(+0,6)), tanto ao nível dos indivíduos reivindicar 'vegetariano' é 'vegan'(1,8 e 2,3). Os produtos com melhor desempenho são bebidas de aveia ou soja, batatas, lanche doces à base de cereais e leite de amêndoa.

A bio fica mais lenta

'Descrição pessoal' e as reivindicar mais difundido neste grupo. As vendas dos 8.255 produtos assim rotulados desaceleraram (-1,3%), principalmente devido à redução da oferta (-1,8%) enquanto a procura cresceu ligeiramente (+ 0,5%).

Aumentando vendas de extrusados, salmão defumado, cereais matinais simples e bebidas de aveia. Em declínio, compotas de frutas para barrar, farinhas, ovos de galinhas caipiras e iogurte desnatado.

Kosher e Halal

Quanto às preferências alimentos relacionados a ditames religiosos, para produtos com certificação kosher (consistente com a religião judaica) as vendas caíram -3,7%, como consequência da queda significativa na demanda (-6,8).

Alimentos certificados halal verificados como compatíveis com os requisitos alimentares do Islã, em 2021 aumentaram as vendas em + 1,3%.

A carga de ingredientes benéficos

O cesto dos 6.304 produtos cujos rótulos indicam a presença de um dos 27 superingredientes encontrados pelo Observatório Immagino, as vendas aumentaram + 3,1%. É o único, juntamente com o reivindicar de origem regional, para registrar um crescimento na demanda.

Entre os superfruit, que no geral marcam +7,9, apenas a água de coco cai (-9,5). A amêndoa continua a ser a fruta mais popular e lidera as vendas com +7,2. Os mirtilos conquistam + 3% e o coco destaca-se com + 19,9%, graças sobretudo aos biscoitos, bebidas e skyr. O abacate é imparável: + 21%.

Supercereais e farinhas estagnadas, com exceção da aveia, +5,1, graças ao aumento da oferta de produtos como bebida de aveia, biscoitos integrais/multigrãos bolachas integrais enriquecidas, cereais matinais, tostas enriquecidas e sanduíches de mesa.

Entre os adoçantes examinada pelo Osservatorio Immagino, a cana-de-açúcar cai (-8,7) e a estévia aumenta (+2).

Sementes e especiarias

A família das sementes é o mais dinâmico do mundo de ingredientes benéficos, com um total de + 8,5% das vendas em relação a 2020.

O fenômeno em 2021 é o cânhamo: impulsionado pelas infusões, o seu volume de negócios cresceu + 31,4%, atingindo os 3,5 milhões de euros. A mais importante, sementes de abóbora, cresce 2%. A tendência de sementes de linho (12,6) e sementes de gergelim (11,3) foi muito positiva.

As super-especiarias em geral, caíram -2,9. Ao contrário do gengibre e da cúrcuma, a canela é um ingrediente que impulsiona as vendas em +6,9, principalmente por sua presença em sorvetes Embalagens múltiplas e nas sobremesas.

Superalimento

Goji de lado (-17,6), os outros três superfood Os produtos monitorados aumentam cada vez mais as vendas, sobretudo graças à expansão da demanda. O cabaz, com as suas 170 referências, no seu conjunto ultrapassou os 13 milhões de euros liquidado (+ 3,2% ao ano). Matcha +25,6, açaí + 19,3%, especialmente como complemento de iogurte funcional e barras e barras de chocolate amargo. Finalmente, excelente crescimento da espirulina (+49,3), graças sobretudo aos suplementos de extratos naturais e smoothies / milkshakes.

O método de processamento

A referência no rótulo o método de processamento (3.125 produtos) é globalmente estável. o reivindicar mais difundido 'retirou'(em bronze) mantém-se com + 2,2% das vendas. O segundo para o valor 'extração a frio', em relação ao azeite extra virgem, perdeu -2,8.

Desaceleração fisiológica (+2,5) para os 142 produtos apresentados como'não filtrado', cervejas caseiras principalmente. Por outro lado, as vendas associadas a 'fermentação lenta/natural', em linha com a queda nas pizzas e lanches congelados.

'Feito à mão', presente principalmente em conservas de atum e peixe, marca um + 4,2%. O método de 'secagem'(massa de sêmola em particular) marca uma queda de -7,3%. A demanda foi especialmente negativa (-8,9%).

Como a obra 'artes', + 10,5%, com destaque para batatas fritas, torradinhas, produtos de aniversário e mussarela. Muito bem finalmente'fumar', que bate nas vendas com + 16,2%, graças ao aumento da demanda por especialidades de peixe e queijos primeiro de tudo.

A consistência preferida, de acordo com o Observatório, eu acho

a chamada à consistência da comida, finalmente. o reivindicar mais empregado é'quebradiço'e cai em -0,8. É pior (-9,1) 'cremoso', principalmente devido às menores vendas de iogurte integral, queijos derretidos fatiados, biscoitos tradicionais, queijos frescos industriais e creme Uht.

crescer em vez disso, as vendas de produtos caracterizados pela reivindicar

- 'macio' (+4,9) com pão de sanduíche, panetone, café, queijos de mesa fatiados, bases de cozinha e torrone entre os principais produtos,

- 'fofo' (+2,3), com destaque para snacks, bolos prontos e produtos recorrentes de Natal e Páscoa,

- 'recheado', com um importante + 12,8%, graças às massas frescas recheadas, em bombons e chocolates, em confeitaria e em barras de chocolate,

- 'recheado' (+2,1), com sobremesas congeladas por cima, bases de cozedura e lanche salgado.

+ postagens

Jornalista profissional desde janeiro de 1995, trabalhou em jornais (Il Messaggero, Paese Sera, La Stampa) e periódicos (NumeroUno, Il Salvagente). Autora de pesquisas jornalísticas sobre alimentação, publicou o livro "Ler rótulos para saber o que comemos".

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »