IníciomercadosFeta falsificado, o Tribunal de Justiça condena a Dinamarca

Feta falsificado, o Tribunal de Justiça condena a Dinamarca

O Tribunal de Justiça Europeu condenou a Dinamarca por tolerar a produção de queijo feta DOP falsificado. (1)

Feta falsificado Fabricado na Dinamarca

O feta é um queijo tradicional grego, feito com leite de ovelha e cabra criados na mesma área de produção. Foi registrado como denominação de origem protegida (DOP) em 2002, após uma longa disputa com a Dinamarca, Alemanha e França, que se opuseram à generalização de seu nome e alegaram usá-lo em seus produtos de imitação. (2)

Dinamarcaapesar disso, ele continua a tolerar a produção de um queijo feta falsificado. Um queijo de imitação, feito de leite de vaca, Fabricado na Dinamarca, que desde 1963 é vendido em todo o mundo como feta (falso). Uma fraude no comércio à escala global, em violação do regime europeu de protecção dos Indicações geográficas (GI).

O processo de infracção

A Comissão Europeia - apoiado pela Grécia e Chipre - acusou a Dinamarca de abuso da DOP em 2019. Copenhague resistiu, argumentando que a produção de feta dinamarquês para mercados extracomunitários seria legal e sua proibição constituiria um obstáculo ao livre comércio.

Uma posição singular, considerando que o feta DOP representa 10% das exportações gregas e a oferta nos mercados internacionais de uma imitação de queijo dinamarquês com o mesmo nome, um verdadeiro feta falsificado, causa graves danos tanto ao comércio como à imagem distintiva e à reputação do tradicional queijo grego Produto DOP.

Violação do direito comunitário

O Tribunal de Justiça Europeu (TJ), em 14.7.22, finalmente decidiu que 'A Dinamarca violou suas obrigações sob o Regulamento (UE) No. 1151/2012, não tendo impedido ou descontinuado a utilização da denominação «Feta» no queijo produzido na Dinamarca e destinado à exportação para países terceiros». (3)

A decisão do Tribunal está dividido em três passagens interpretativas:

1 - o reg. A EU 1151/2012 não proíbe expressamente a produção tendo em vistaexportar não UE de imitações de produtos protegidos como DOP na Europa, sem contudo excluir esta hipótese das proibições de falsificação e evocação,

2 - o referido regulamento protege as DOP e IGP como direitos de propriedade intelectual, sujeitos a proteção também contra imitações destinadas a exportações para fora da UE,

3 - a utilização indevida da DOP é contrária ao objectivo do legislador europeu de garantir aos produtores de uma determinada área geográfica o reconhecimento, também em termos de valor económico, da qualidade tradicional dos seus produtos.

Nota

(1) Acórdão do Tribunal de Justiça no processo C-159/20 | Comissão / Dinamarca (DOP Feta) 14.7.22, https://bit.ly/3IS9OXU

(2) Regulamento (CE) n.º 1829/2002 da Comissão de 14 de Outubro de 2002 que altera o anexo do Regulamento (CE) n.º 1107/96 no que respeita à denominação «Feta» (JO L 2002, p. https://bit.ly/3aWe644

Veja também https://bit.ly/3yYs0KO

(3) Regulamento (UE) n.º 1151/2012 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 21 de novembro de 2012 sobre os regimes de qualidade dos produtos agrícolas e dos géneros alimentícios (JO 2012 L 343, p. 1) https://bit.ly/3Prc7DV

+ postagens

Jornalista profissional desde janeiro de 1995, trabalhou em jornais (Il Messaggero, Paese Sera, La Stampa) e periódicos (NumeroUno, Il Salvagente). Autora de pesquisas jornalísticas sobre alimentação, publicou o livro "Ler rótulos para saber o que comemos".

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »