InícioProgressoProteínas alternativas não são suficientes para criar sistemas alimentares sustentáveis. Relatório do IPES...

Proteínas alternativas não são suficientes para criar sistemas alimentares sustentáveis. Relatório de Alimentos IPES

Proteínas alternativas às de origem animal podem contribuir para segurança alimentar mas não são suficientes para garantir a sustentabilidade dos sistemas alimentares.

IPES Alimentos, no relatório 'A política da proteína', sublinha a necessidade de uma visão e estratégia mais amplas. (1) Um raio de sol não faz primavera.

1. Introdução. Proteínas alternativas, parte do todo

# ODS2 - Fome Zero, o segundo entre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) na Agenda 2030 da ONU - só pode ser alcançada por meio de uma reforma radical dos atuais sistemas alimentares e políticas sociais. A mera produção de alternativas proteicas à carne (e outros alimentos de origem animal) não é suficiente.

O Comitê dos especialistas em Alimentos do IPES destacam o risco de descartar um problema de longo alcance - a crise da pobreza e segurança alimentar - na única falta de um nutriente, proteínas. De fato, é necessário considerar uma série de aspectos que incluem inúmeras variáveis ​​nos sistemas alimentares e sociais das diferentes regiões do planeta.

2) Zootecnia

2.1) Agricultura intensiva e Carne de laboratório, coincidências curiosas (de interesses)

Agricultura industrial - a quem é atribuída a responsabilidade por 30% das emissões de gases com efeito de estufa - representa cerca de 50% do PIB agrícola mundial. E é um setor concentrado nas mãos de poucos Corporação.

O mesmo Corporação, nos últimos anos, também investiram em inovação relacionada a proteínas alternativas, cujo valor passou de US$ 6 milhões em 2016 para US$ 366 milhões em 2020. (2)

2.2) Fazendas camponesas

As fazendas de animais de pequena escala, familiares e camponeses, têm raízes nas tradições e nada têm a ver com as industriais.

Os animais eles fornecem comida, lã e pele, trabalho físico (transporte), fertilizantes naturais. Além de ser utilizado como garantia financeira e permitir a valorização de terrenos marginais.

Pecuária camponesa é de fato um meio de subsistência, renda e segurança alimentar. Especialmente em regiões áridas com poucas alternativas. (3)

3) Desenvolvimento sustentável

3.1) 1% vs. 99%

O debate político para onde conduzir os sistemas alimentares do planeta hoje se baseia em aspectos que coincidem com os interesseselite financeiros (1%), mas negligenciam as necessidades das populações (99%).

O desafio de segurança alimentar não se trata apenas da produção de proteínas sustentáveis, mas da distribuição equitativa dos recursos para a produção de alimentos e o combate à pobreza.

Mudar os sistemas alimentares devem, portanto, concentrar esforços em objetivos compartilhados e compartilhados de sustentabilidade, sem negligenciar as tradições camponesas e a agroecologia. (4)

3.2) Dinâmica

Algumas propostas para produzir proteínas alternativas contam com soluções tecnológicas que custam milhões, às vezes até com ingredientes de alto impacto ambiental. Uma dinâmica que fortalece as relações de poder existentes e dificulta a soberania alimentar dos povos, mesmo em países de baixa e média renda, ao confiar segurança alimentar global para um pequeno grupo de Corporação.

«A alegação de que a carne, o peixe e o leite devem ser substituídos por proteínas alternativas leva a uma industrialização do sistema alimentar que poderia pôr em perigo os meios de subsistência de milhões de pessoas, ecossistemas como é o caso da aquicultura que, para satisfazer a produção, necessitam de insumos que podem ter efeitos negativos no ambiente'.

3.2) Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)

# ODS1 - Acabar com a pobreza, o primeiro entre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, é a condição para atingir os objetivos de segurança alimentar (ODS2) e saúde e bem-estar dos indivíduos (#ODS3, Garantir a saúde e o bem-estar). As emissões de gases de efeito estufa associadas aos processos produtivos são muitas vezes apresentadas como o único parâmetro de sustentabilidade dos sistemas alimentares. Em uma visão míope e não desinteressada que negligencia alguns elementos cruciais. Não só os direitos dos camponeses e das comunidades rurais em vão proclamado da ONU (2018), mas também, entre outras coisas:

- desmatamento e perda de biodiversidade associados às monoculturas de mercadorias agrícola, (5)

- poluição dos solos, (6) da água (7) e do ar com pesticidas e outros agrotóxicos.

4) Conclusões provisórias

Sustentabilidade dos sistemas alimentares deve ser desenvolvido nas três dimensões econômica, social e ambiental. Com o objetivo primordial de garantir o acesso a métodos de produção eficazes e, assim, a uma alimentação saudável e sustentável, respeitando as culturas e os recursos naturais dos lugares.

Financiamento pesquisa e desenvolvimento público deve ser direcionado para o cd inovação aberta. Ou seja, projetos sobre proteínas alternativas ou outros tipos de inovação - mesmo que envolvam operadores privados - devem poder ser replicados sem restrições de patentes, para o bem comum.

Dario Dongo e Isis Consuelo Sanlucar Chirinos

Importante

(1) Phil Howard, A política da proteína. iPES Alimentos. 01.04.222. http://www.ipes-food.org/pages/politicsofprotein

(2) Dario Dongo. 'Carne vegan', som de carne. Grande show no Parlamento Europeu. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 23.10.20, https://www.greatitalianfoodtrade.it/idee/carne-vegana-meat-sounding-grande-spettacolo-al-parlamento-europeo

(3) Dario Dongo. Leite de camelídeos, perspectiva mediterrânea. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 8.9.21, https://www.greatitalianfoodtrade.it/latte-di-camelidi-prospettiva-mediterranea

(4) Dario Dongo, Giulia Orsi. O estado de natureza na UE. Revolução orgânica. Égalité. 4.1.21, https://www.egalite.org/lo-stato-della-natura-in-ue-rivoluzione-bio/

(5) Dario Dongo. Biodiversidade e emergência climática. Égalité. 13.2.20, https://www.egalite.org/biodiversita-ed-emergenza-climatica-il-filo-comune/

(6) Dario Dongo. Proteção do solo, estratégia UE 2030. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 6.12.21, https://www.greatitalianfoodtrade.it/en/protezione-del-suolo-strategia-2030-labc

(7) Dario Dongo. ISPRA, relatório de 2020 sobre pesticidas na água. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana). 24.12.20, https://www.greatitalianfoodtrade.it/de/ispra-rapporto-2020-sui-pesticidi-nelle-acque

+ postagens

Dario Dongo, advogado e jornalista, doutor em direito alimentar internacional, fundador da WIISE (FARE - GIFT - Food Times) e da Égalité.

+ postagens

Formada em engenharia de alimentos pela Universidade Nacional Autônoma do México, está cursando o mestrado em 'Advogada e Consultora de Segurança Alimentar' na Alma Mater, Universidade de Bolonha.

ARTIGOS RELACIONADOS

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »