InícioAtores-consumidoresPAC pós 2020, cinza esfumaçado. Precisamos de uma revolução orgânica

PAC pós 2020, cinza esfumaçado. Precisamos de uma revolução orgânica

A PAC pós-2020 - ou seja, a Política Agrícola Comum, até 2027 - é confirmada como cinza esfumaçada. Os compromissos 'aspiracionais' do Negócio Verde Europeu, como os das Estratégias da UE Farm to Fork biodiversidade. O cinza continua a obscurecer um sistema de ajuda que recompensa os agrotóxicos e envenena o futuro, assim como a consciência de quem os causa.

Cidadãos votam em 'bio', com a carteira pelo menos. Eles evitam pesticidas e eles os temem, a ponto de muitas vezes cair no engano falsas proclamações de 'luta integrada' o ausência de resíduos. Mas a política os trai, mais uma vez. Para seguir apenas os interesses dos grandes entradaGrande Ag e Big 4.

Precisamos de uma revolução orgânica, começando pelas escolhas diárias de compra, para reverter a tendência.

PAC pós-2020, reforma em andamento

O Parlamento Europeu votou a reforma da Política Agrícola Comum, em plenário, em 20.10.20, E os ministros da agricultura dos estados membros, reunidos no Conselho, viraram a chave naquela mesma noite, antes de aguardar a reação dos cidadãos. Os documentos voltam agora à Comissão e aos representantes da Assembleia, para definir um acordo segundo o chamado procedimento de trílogo (Parlamento, Comissão, Conselho).

A 'nova' Política Agrícola Comum - que o Ministério de Políticas Agrícolas Renzi comemora por 'as disposições ambiciosas destinadas a alinhar a política agrícola europeia com o desafio das alterações climáticas e da sustentabilidade'- entrará em vigor em 1.1.23. Após dois anos de transição, até 2027.

Parlamento Europeu, cinza esfumaçado

A montagem do Parlamento Europeu votou cinza fumaça. Eliminando as medidas essenciais para a preservação do meio ambiente e da biodiversidade. Desapareceram assim:

- incentivos a práticas agrícolas destinadas a promover a biodiversidade. Os critérios econômicos prevaleceram sobre os ambientais, para fins de acesso a recursos,

- a reserva de 10% das terras agrícolas para áreas de biodiversidade (sebes e pequenas zonas húmidas),

- o aumento do financiamento das medidas ambientais, proposto pela Comissão de referência (ENVI, Ambiente, Segurança Alimentar e Saúde Pública) do mesmo Parlamento.

Desigualdades e ecocídios

Os eurodeputados eles confirmam o seu lealdade cega aos gigantes agricultura industrial líder e políticas agrícolas do Velho (como do Novo) continente. confirmou os serviços às velhas entrada. Até o ponto de aprovação:

- Subsídios para transformar zonas úmidas valiosas para a vida selvagem em locais no Rede Natura 2000 (Áreas protegidas),

- concentração de recursos públicos na agricultura intensiva. Pelo menos 60% do orçamento destina-se a grandes empresas agrícolas. Com uma quota mínima, estimada em cerca de 6%, a favor das pequenas e médias empresas. Sem nenhuma reserva para microempresas que protegem territórios e paisagens com a eco-agricultura camponesa,

- manutenção de todos os subsídios à agricultura intensiva, sem introduzir quaisquer condições para a redução dos gases com efeito de estufa (ao invés solicitado pela FAO) E o melhoria do bem-estar animal.

manchas de verde

As manchas verdes - numa PAC que absorve 32% de todo o orçamento da UE - só pode ser vista numa previsão ela própria contraditória.

'' Um mínimo de 30% das despesas do Pilar II (Desenvolvimento Rural) devem ser atribuídos a medidas agro-ambientais, e pelo menos 20% dos recursos do Pilar I (pagamentos directos) devem ser atribuídos a regimes ecológicos, ou seja, medidas como o capim de pomares, redução de pesticidas e fertilizantes, métodos de agricultura biológica e outras práticas agrícolas benéficas para o ambiente».

Em poucas palavras, com o aperto da chave pelo Conselho, 20% das ajudas diretas (nem mesmo 30%, como votaram os deputados) terão de ser dedicados a incentivos para uma soma de práticas agronómicas. Práticas que incluem, mas não se limitam, note bem, à agricultura orgânica. Ao contrário, bastará capinar os pomares ou reduzir o uso de agrotóxicos para subtrair recursos dos operadores envolvidos na agroecologia. E esta é a única prática que poderia ter salvado a Europa, conforme indicado em um relatório recente Estudo IDDRI (Institut pour le Développement Durable et les Relations Internationales).

Desapontamento

'Estamos muito decepcionados o resultado das votações de ontem (20.10.20, ed). Mas, sobretudo, surpreende-nos a intenção de alguns grupos políticos e ministros da agricultura de fazer esta votação passar aos olhos da imprensa e da opinião pública como uma viragem #verde na PAC, quando na verdade não é absolutamente.

Isso tudo é terrivelmente assustador. Por detrás das suas palavras brilhantes, os deputados do Parlamento Europeu e os Ministros da Agricultura dos 27 países da UE confirmam uma PAC que continuará a desperdiçar o dinheiro dos contribuintes para apoiar uma agricultura envenenada, poluente e industrializado, pelo menos até 2027, em claro contraste com os alarmes do mundo científico sobre a perda de # biodiversidade e o aumento das emissões de gases de efeito estufa'. (Coalizão #CambiamoAgricoltura, press release 21.10.20)

Revolução orgânica

A #revoluçãobio é a ferramenta mais eficaz disponível para todos nós hoje. O #votocolportafoglio tem demonstrado extraordinária eficácia ao induzir as empresas mais responsáveis ​​- na indústria e distribuição em larga escala (GDO) - a retirar o óleo de palma da maioria dos produtos alimentícios nas prateleiras.

Chegou a hora modificar drasticamente a demanda para forçar a oferta a se adaptar. Nós queremos produtos orgânicos de uma cadeia de suprimentos curta, privilegiamos a relação direta e solidária com pequenos agricultores que respeitem a natureza e os direitos dos trabalhadores.

A ideia de #sábados para o futuro pode ser o ponto de partida. Vamos todos nos comprometer, a partir do sábado de cada mês, a comprar apenas alimentos orgânicos, dentro dos limites de disponibilidade. Tomando nota dos preços, para interceptar qualquer especulação.

Il Manifesto Bio 2030 pode ser realizado, a partir da Itália, precisamente porque os consumidores são a alavanca independente do mercado que deve, em qualquer caso, adaptar-se às suas escolhas coesas, independentemente dos lobbies e dos seus servidores.

Dário Dongo

+ postagens

Dario Dongo, advogado e jornalista, doutor em direito alimentar internacional, fundador da WIISE (FARE - GIFT - Food Times) e da Égalité.

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »