InícioAtores-consumidoresCarrefour, abusos nas compras online. Reporte à Autoridade Antitruste

Carrefour, abusos nas compras online. Reporte à Autoridade Antitruste

Uso excessivo e ineficiências nas compras online com entrega em domicílio pelo Carrefour. Práticas inaceitáveis ​​para os consumidores. Trata-se da denúncia da associação Égalité, que denuncia o caso ao Antitruste.

Carrefour, compras com obstáculos

Acesso ao sítio carrefour.it é uma experiência frustrante em si. O teste foi realizado em 8.4.20. Longa espera para acessar a lista de produtos em um sistema que - nos dois meses que se passaram desde o aumento das vendas online de alimentos, na Itália - ainda não parece capaz de suportar o tráfego de visitantes. E a oferta é drasticamente limitada, numa espécie de racionamento que nada tem a ver com disponibilidade nas lojas físicas.

Estão quase ausentes produtos frescos, como carne, frutas e legumes da estação. Prosseguimos em qualquer caso, na inquietação das restrições. Se você quer pedir a comida necessária, na verdade, você tem que abrir mão das escolhas de origem, ingredientes e sustentabilidade.

Compras da meia-noite

Pedido concluído, mas pendente. Como não há prazos de entrega disponíveis nos dois dias seguintes, ficamos sabendo após a aventura do paciente, que é impossível finalizar o pedido e prosseguir com o pagamento. O site sugere conectar após a meia-noite para completar o feito.

As compras da meia-noite no entanto, é febril. Recuperou a 'janela' deixada aberta no computador, tente concluir a operação, pague e reserve a entrega. Mas o sistema trava. 'Atenção! Houve um problema com os controles do produto'. Faltam alguns produtos mas não sabemos qual, a lista não está atualizada e a encomenda não procede. Nada para fazer.

O abuso

Novo dia, nova tentativa. O produto que faltava à meia-noite é finalmente indicado. Passamos a substituí-lo por outro - na escassa escolha de alternativas - e o pedido é concluído.

O abuso do Carrefour surge no email confirmação do pedido. Um passeio, ainda mais odioso na emergência social e de saúde que a Itália está enfrentando. A gigante francesa anuncia que os preços podem mudar após a compra. E assim poderia alterar o valor total da cobrança do cartão de crédito.

'Como os nossos preços mudam todos os dias, o valor total da compra pode variar dependendo do dia da entrega/recolha'.

Reporte à Autoridade Antitruste

O consumidor fazer compras no supermercado, físico ou online, com base nos preços exibidos. E o contrato é celebrado com a confirmação da encomenda nas condições indicadas.

Alterar o preço de um ativo já comprado e pago é certamente ilegal. Como explica o professor Philipp Fabbio, professor de direito comercial da Universidade do Mediterrâneo de Reggio Calabria, «para as regras gerais dos contratos, não é permitida a modificação unilateral das condições contratuais. Se a variabilidade dos preços após a compra estiver prevista nas condições gerais de venda, deve, em qualquer caso, ser verificada a compatibilidade desta cláusula com o Código do Consumidor. E em qualquer caso, quaisquer práticas comerciais enganosas terão que ser verificadas.'

Égalité onlus ele então relata o assunto ao Antitruste, a fim de obter a proteção dos direitos do consumidor o mais rápido possível.

Sem água

Apesar dos altos e baixos para concluir o pedido, há pouco para ter certeza. Aliás, na hora da entrega, falta o produto mais importante nesse caso: a água. Em uma casa sem água potável, o dano é enorme. E eu 6,90 € pagos para fazer compras online no Carrefour parecem um preço insuportável.

+ postagens

Jornalista profissional desde janeiro de 1995, trabalhou em jornais (Il Messaggero, Paese Sera, La Stampa) e periódicos (NumeroUno, Il Salvagente). Autora de pesquisas jornalísticas sobre alimentação, publicou o livro "Ler rótulos para saber o que comemos".

ARTIGOS RELACIONADOS

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »