HomeEtiquetasSanções reg. UE 1169/11, análise do decreto

Sanções reg. UE 1169/11, análise do decreto

Antes tarde do que nunca - seis anos depoisentrada em vigor do regulamento da UE 1169/11 - cd Informação alimentar aos consumidores (FIR) - A Itália também introduz um quadro sancionatório específico. A seguir, em prévia, a análise do decreto.

Reg. UE 1169/11, rótulos e publicidade de alimentos, o decreto de sanções

O Conselho de Ministros, em 11.12.17, aprovou o 'decreto legislativo contendo as regras disciplinares para a violação das disposições do Regulamento (UE) n. 1169/2011, relativa à prestação de informação sobre alimentos aos consumidores e à adaptação da legislação nacional às disposições do mesmo regulamento (UE) n. 1169/2011 e diretiva 2011/91/UE'. (1)

Uma análise preliminar do decreto, com algumas notas críticas, já havia sido oferecido neste site. O que ele tinha em seu tempo publicado em pré-visualização do texto, agora disponível na versão final. (2) Passamos agora à análise detalhada.

 TÍTULO I - Princípios gerais

Campo de aplicação (Artigo 1). As sanções administrativas introduzidas pelo decreto dizem respeito às violações das regras de informação ao consumidor sobre produtos alimentares, referidas no regulamento da UE n. 1169/2011 e diretiva 2011/91/UE. (3) Sujeito à aplicação da lei penal, (4) e sem prejuízo da sanções especificamente previstas para violações do regulamento sobre Alegações nutricionais e de saúde. (5) Também sem prejuízo da competência da Autoridade de Defesa da Concorrência, que monitora o cumprimento do Código do Consumidor.

Definições e operadores responsáveis (artigo 2º). Para as definições aplicáveis, é feita referência ao reg. EU 1169/11, artigo 2º. Aplica-se também ao operador responsável pela veracidade e completude das informações, que é o 'sob cujo nome ou firma o produto é comercializado ou, se esse operador não estiver estabelecido na União, o importador estabelecido no território da União; o operador do setor alimentar cujo nome ou razão social conste em marca registada ou depositada também é identificado como responsável. ' (6)

TÍTULO II - Sanções

CAPÍTULO I - Critérios e responsabilidades gerais

Práticas de informações justas (artigo 3º). A violação dos critérios gerais de transparência e informação correta ao consumidor (7) é punida com uma sanção administrativa pecuniária que varia entre 3 e 24 euros, 'salvo se o facto constituir crime e com exclusão dos casos especificamente sancionados'por outras disposições do decreto.

responsabilità (Artigo 4). Os operadores que afectem informação relativa a alimentos, (8) que forneçam alimentos que saibam ou possam presumir não conformes em termos de informação, são punidos com coima de € 500 a € 4.000. (9)

A modificação das informações recebidas em um alimento, se puder 'induzir o consumidor em erro ou reduzir o nível de proteção do consumidor', (10) é punido com coima que varia entre 2.000 e 16.000 euros.

Vendas B2B. EU'omissão de informações obrigatórias sobre alimentos está sujeito a uma coima entre mil e oito mil euros.

Embalagem externa. A não fixação do informações prescritas na embalagem externa dos alimentos produtos pré-embalados destinados à venda B2B (nome do alimento, prazo de validade ou TMC, condições particulares de armazenamento ou utilização, nome do operador responsável) é ainda aplicada uma coima de 1.000 a 8.000€.

CAPÍTULO II - Informação obrigatória no rótulo, violação de regras gerais

alérgenos (artigo 5º). Láfalta de fixação do Informação obrigatória'relativo aos alérgenos envolve a aplicação de uma multa que varia de 5 a 40 euros. A menos que o operador responsável 'deu início aos procedimentos previstos no artigo 19.º do Regulamento (UE) n.º. 178/2002 antes de apurar a violação pela autoridade supervisora'.

Outras informações obrigatórias. Láfalha em afixar«de uma ou mais das outras indicações obrigatórias - denominação de alimentos, lista de ingredientes e aditivos, LIBRA, Data de validade ou TMC, quantidade líquida, condições particulares de armazenamento (11) ou uso, nome ou firma e endereço do operador responsável, (12) País de origem ou local de proveniência, quando necessário, (13) instruções de uso quando necessário, teor alcoólico para bebidas com teor alcoólico > 1,2%, declaração nutricional - implica a aplicação ao responsável de uma sanção administrativa pecuniária de € 3.000 a € 24.000.

Legibilidade e campo de visão (Artigo 6). A violação do critérios gerais e específico para garantir a legibilidade da informação no rótulo é punido com uma soma de € 1.000-8.000. Mesma penalidade se a informação que deve aparecer no mesmo campo de visão (nome e quantidade de venda, além do teor alcoólico das bebidas alcoólicas) for colocada de outra forma.

Venda à distância (Artigo 7). A violação do requisitos de informação ao consumidor prescritos em todos os casos de venda à distância implica a aplicação de uma sanção administrativa pecuniária de 2 mil a 16 mil euros.

CAPÍTULO III - Informação obrigatória no rótulo, violação de regras específicas

Denominação de alimentos (Artigo 8). O não cumprimento dos critérios prescritos, ou utilização de denominação protegida, marca ou nome fantasia em substituição da denominação (legal, usual ou descritiva), multa de € 2.000 a 16.000.
Pena reduzida, de 500€ para 4.000€, quando as infrações acima referidas sejam exclusivamente devidas a 'erros formais ou omissões'.
Idêntica penalidade reduzida no caso de uso de um nome legalmente usado no (diferente) país de produção e ainda não claro ou esclarecido aos consumidores italianos.
Violação das regras específicas sobre nomes de alimentos e indicações complementares referidas no Anexo VI do reg. EU 1169/11, multa de € 1.000 a € 8.000. (14)

Lista de ingredientes (Artigo 9º). Violação das disposições sobre a denominação dos ingredientes, multa de € 2.000 a € 16.000. Em medida reduzida, € 500-4.000, se a violação diz respeito apenas a erros formais ou omissões.
Violação das disposições específicas relativas à indicação e designação dos ingredientes referidos no Anexo VII do reg. UE 1169/11, € 1.000-8.000.

alérgenos (Artigo 10). Falha em cumprir os requisitos de rotulagem de alérgenos, 2.000-16.000€.

QUID e quantidade líquida (artigo 11). A não ser que o fato constitui crime, violação das regras sobre a indicação quantitativa de ingredientes e quantidade líquida, € 1.000-8.000.

Data de validade, congelamento, TMC (artigo 12). Violação de regras sobre data de validade e data 'congelado (ou ultracongelado) em', (15) € 2.000-16.000.
Salvo se o facto constituir crime, transferir 'por qualquer motivo' ou expor para venda ao consumidor final um alimento após o prazo de validade, de € 5.000 a € 40.000 (!).
Não cumprimento do prazo mínimo de armazenamento, € 1.000-8.000. 2.

País de origem ou local de proveniência (artigo 13). «Salvo se o facto constituir crime», violações do conteúdo e métodos de indicação do país de origem o local de origem 'referido no artigo 26.º do regulamento', € 2.000-16.000. (16) Apenas € 500-4.000, quando se tratar exclusivamente de erros formais ou omissões.

Teor alcoólico (Artigo 14). Violação das regras sobre a indicação do título alcoométrico, € 500-4.000.

Declaração nutricional (Artigo 15). Métodos incorretos de indicação, conteúdo, expressão e apresentação da declaração nutricional, € 2.000-16.000 (!!!).

CAPÍTULO IV - Informações voluntárias, violações

'A menos que o fato constitua um crime', a incorrecção de informação prestada a título voluntário sobre informação geralmente considerada obrigatória (17) é punida com as mesmas sanções previstas nos capítulos II e III anteriores (artigos 5.º a 15.º do decreto).
A informação facultativa contrária aos critérios gerais de veracidade e transparência pode, por sua vez, ser sancionada com um montante de € 3.000 a € 24.000.
A mesma sanção pode ser aplicada quando a Comissão Europeia tiver definido as pertinentes regras, por descumprimento das atribuições 'vegetariano' e 'vegano' (Artigo 16).

TÍTULO III - Adaptação das normas nacionais

A análise continua no artigo seguinte, especificamente dedicado às regulamentações nacionais sobre códigos de lote, máquinas de venda automática e venda de alimentos não pré-embalados.

TÍTULO IV - Disposições finais

Micro empresas (18) beneficiar de uma redução de até metade de cada sanção administrativo.

Suprimentos para ONGs - 'tendo em vista a posterior transferência gratuita para indigentes' - estão isentos de penalidades, exceto nos casos de irregularidades nos alérgenos e prazo de validade.

A correção escrita adequada de informações não conformes «(19) exclui finalmente a aplicação das disposições sancionatórias (artigo 27.º).

Dário Dongo

Note

(1) O decreto legislativo foi emitido por delegação específica conferida ao Governo nos termos do artigo 5.º da Lei n.º 12, disco Lei da Delegação Europeia 2015 '

(2) Ver Comunicado de Imprensa 11.17.12 Conselho de Ministros, 'Implementação das normas europeias', ponto 4, sobre http://www.governo.it/articolo/comunicato-stampa-del-consiglio-dei-ministri-n-61/8641. Para o texto definitivo da disposição, ver o anexo deste artigo

(3) Dir. 91/2011 / UE 'relativas às indicações ou marcas que permitem identificar o lote a que pertence um género alimentício', a chamada diretiva de lote

(4) A este respeito, são citados os crimes de fraude comercial (artigo 515.º do Código Penal), a venda de substâncias alimentares não genuínas como genuínas (artigo 516.º), a venda de produtos industriais com sinais enganosos (artigo 517.º) . Com as agravantes a que se refere o artigo 517-bis seguinte ('se os factos por eles previstos dizem respeito a alimentos ou bebidas cuja denominação de origem ou geografia ou cujas características específicas estejam protegidas pela regulamentação em vigor')

(5) Reg. CE 1924/06, reg. UE 432/12 e alterações subsequentes

(6) Ver reg. UE 1169/11 (FIR), artigo 8

(7) Ver reg. UE 1169/11, artigo 7. Para alguns exemplos concretos, consulte os artigos https://www.greatitalianfoodtrade.it/senza-glutine-senza-esagerare, bem como os listados https://www.foodagriculturerequirements.com/?lang=it&s=7.1.c

(8) Apenas fora dos distribuidores, cujas responsabilidades estão definidas na FIR no artigo 8.3

(9) Pode ser o caso de um varejista público que transcreve a notícia improvável recebida do fornecedor sobre o cartel de venda de alimentos vendidos a granel. Para um exemplo, veja https://www.foodagriculturerequirements.com/fare-pane-viola-per-diabetici-e-obesi-magari-no-risponde-l-avvocato-dario-dongo

(10) Ver FIR, artigo 8.4. Este é o caso típico de omissão de informações obrigatórias essenciais (por exemplo, data de validade, condições especiais de armazenamento) em itens pré-embalados

(11) Ver parágrafo 2 do artigo https://www.foodagriculturerequirements.com/export-in-austria-è-ora-di-rispondere-per-le-rime-ai-consulenti-di-gruppo-rewe

(12) A mesma sanção aplica-se ao distribuidor que apenas indica o nome e endereço do fabricante e embalador, sem apor o seu, nos produtos comercializados com a sua própria marca.

(13) Ver reg. UE 1169/11, artigo 26, e reg. UE 1337/13

(14) Sanções idênticas para o defeito de designação do nanomaterial

(15) Data exigida apenas para carnes não transformadas, preparados de carne e produtos da pesca

(16) OBS: a Comissão Europeia ainda não implementou o artigo 26.3 do reg. UE 1169/11 

(17) Ver regulamento da UE 1169/11, artigo 36.1. Refere-se a todas as informações referidas nos artigos 9.º e 10.º da FIR

(18) NB: microempresas são aquelas com menos de 10 empregados e um volume de negócios anual (o montante de dinheiro angariado num determinado período) ou balanço (uma demonstração de ativos e passivos de uma empresa) inferior a 2 milhões de euros ' (ver Recomendação 2003/361 / CE

(19) Presumivelmente, a nova rotulagem, ou seja, o cancelamento de informações irregulares e sua substituição por informações corretas, que devem, em qualquer caso, ser afixadas em uma etiqueta adicional

 

EM ANEXOO texto do decreto legislativo que contém as medidas disciplinares por violação do disposto no Regulamento (UE) n. 1169/2011 (...)', conforme aprovado pelo Conselho de Ministros em 11.12.17

+ postagens

Dario Dongo, advogado e jornalista, doutor em direito alimentar internacional, fundador da WIISE (FARE - GIFT - Food Times) e da Égalité.

Artigos Relacionados

Artigos recentes

Commenti recentes

Traduzir »